segunda-feira, 20 de março de 2017

O Cânon do Antigo Testamento: De Jerônimo até a Reforma - Parte 3


Traduções Bíblicas

No início do século XVI, pouco antes da Reforma, o Cardeal Ximenes, o Arcebispo de Toledo, em colaboração com os principais teólogos de seu tempo, produziu uma edição da Bíblia chamada Bíblia Complutensia. Há uma admoestação no Prefácio sobre os Apócrifos, em que os livros de Tobias, Judite, Sabedoria, Eclesiástico, Macabeus, as adições a Ester e Daniel, não são escrituras canônicas e, portanto, não foram usados pela Igreja para confirmar a autoridade de quaisquer pontos fundamentais da doutrina, embora a Igreja permitisse que fossem lidos para fins de edificação. B.F. Westcott comenta:

No início da Reforma, os grandes estudiosos romanistas permaneceram fiéis ao julgamento do Cânon que Jerônimo havia seguido em sua tradução. E o cardeal Ximenes, no prefácio de sua magnífica poliglota Bíblia Complutensia – o monumento duradouro da Universidade que ele fundou em Complutum ou Alcala, e a grande glória da imprensa espanhola – separa os apócrifos dos livros canônicos. Os livros, ele escreve, que estão fora do cânon, que a Igreja recebe mais para a edificação do povo do que para o estabelecimento da doutrina, são dados apenas em grego, mas com uma dupla tradução. (A General Survey of the History of the Canon of the New Testament (Cambridge: MacMillan, 1889), pp. 470-471)

Esta Bíblia, bem como seu Prefácio, foi publicada com a autoridade e consentimento do Papa Leão X, a quem toda a obra foi dedicada. A Nova Enciclopédia Católica fornece-nos as seguintes informações:

A primeira Bíblia que pode ser considerada poliglota é a editada em Alcala (em latin Complutum, daí o nome de Bíblia Complutense), Espanha, em 1517, sob a supervisão e a expensas do Cardeal Ximenes, por estudiosos da universidade fundada nessa Cidade pelo mesmo grande Cardeal. Foi publicada em 1520, com a sanção de Leão X. (New Catholic Encyclopedia (New York: McGraw Hill, 1967), The Polyglot Bibles)

O erudito Bruce Metzger fornece informações adicionais sobre a visão da Igreja Ocidental durante o século XVI:

A versão latina mais antiga da Bíblia nos tempos modernos, feita a partir das línguas originais pelo estudioso dominicano, Sanctes Pagnini, e publicada em Lyon em 1528, com cartas comendatórias do Papa Adriano VI e Papa Clemente VII, separa agudamente o texto dos livros canônicos do texto dos livros apócrifos. Ainda outra Bíblia latina, esta uma adição da Vulgata de Jerônimo publicada em Nuermberg por Johannes Petreius em 1527, apresenta a ordem dos livros como na Vulgata, mas especifica no início de cada livro apócrifo que não é canônico. (Bruce Metzger, An Introduction to the Apocrypha (New York: Oxford, 1957), p. 180)

Metzger ainda afirma:

A versão de Petrius da Vulgata de Jerônimo também incluiu todos os prólogos de Jerônimo para os livros do Velho e Novo Testamento e os Apócrifos. Ele manteve o cânone hebraico, excluindo os livros apócrifos do status canônico. (Ibid)

Metzger descreve brevemente a situação histórica da Igreja Ocidental pouco antes da Reforma:

Após o tempo de Jerônimo e até o período da reforma, uma sucessão contínua dos Padres e teólogos mais instruídos no Ocidente manteve a autoridade distintiva e única dos livros do cânon hebraico. Tal julgamento, por exemplo, foi reiterado na véspera da Reforma pelo Cardeal Ximenes no prefácio da magnífica edição poliglota Complutense da Bíblia que ele editou (1514-17) (...) Mesmo Cardeal Caetano, adversário de Lutero em Augsburgo em 1518, deu aprovação ao cânon hebreu em seu comentário sobre todos os livros históricos autênticos do velho testamento, que dedicou ao papa Clemente VII em 1532. Ele expressamente chamou a atenção para a separação de Jerônimo dos livros canônicos dos não canônicos, e sustentou que estes últimos não devem ser invocados para estabelecer pontos de fé, mas usados apenas para a edificação dos fiéis. (Ibid., p. 180)

A Bíblia Poliglota do Cardeal Ximenes foi sancionada pelo Papa Leão X. Ela separou os Apócrifos do cânon do Antigo Testamento e recebeu sanção papal. Os apologistas católicos romanos falam bastante da aprovação papal dada por Inocêncio I para o Concílio de Cartago em sua carta a Exuperius. A sanção de Leão X é tão autoritária quanto à de Inocêncio, mas são fundamentalmente contraditórias, demonstrando novamente que a afirmação de Roma de que ela determinou o cânone para a Igreja universal no final do século IV e início do século V não é apoiada pelos fatos históricos.

O peso da evidência histórica apoia a exclusão dos Apócrifos da categoria de Escritura canônica. Assim, devemos concluir que os decretos do Concílio de Trento, relativos ao verdadeiro cânon das Escrituras, foram feitos com descarada indiferença pelas evidências históricas judaicas e patrísticas, bem como pelo consenso histórico geral da Igreja anterior a esse Concílio. O estudioso renomado, B.F. Westcott, faz estes comentários a respeito do decreto de Trento:

Este decreto fatal, no qual o Concílio [...] deu um novo aspecto a toda a questão do Cânon, foi ratificado por cinquenta e três prelados, entre os quais não havia um alemão, nem um estudioso distinguido pelo saber histórico, nem por um estudo especial para o exame de um assunto em que a verdade só poderia ser determinada pela voz da antiguidade. A decisão completamente se opôs ao espírito e à letra dos julgamentos originais das Igrejas Grega e Latina. Absolutamente sem precedentes foi a conversão de um uso eclesial em um artigo de crença. (B.F. Westcott, A General Survey of the History of the Canon of the New Testament (London: Macmillan, 1889), p. 478)

Além dessas razões históricas para rejeitar os Apócrifos como sendo inspirados e, portanto, não verdadeiramente canônicos, também há heresias, inconsistências e imprecisões históricas nos próprios escritos que os desqualificam para receber o status de Escritura. Bruce Metzger escreveu sobre o Livro de Judite:

Uma das primeiras perguntas que se levanta naturalmente a respeito deste livro é se é histórico. O consenso, pelo menos entre os estudiosos protestantes e judeus, é que a história é pura ficção (...) O livro é repleto de improbabilidades cronológicas, históricas e geográficas e erros francos (...) Por exemplo, Holofernes move um imenso exército em cerca de trezentas milhas em três dias (2:21). As primeiras palavras do livro, quando tomadas com 2:1 e 4:21, envolvem o absurdo histórico mais espantoso, pois o autor coloca o reinado de Nabucodonosor sobre os assírios (na realidade ele era rei de Babilônia) em Nínive (que caiu sete anos antes de sua ascensão). Em um momento em que os judeus tinham apenas recentemente voltado do cativeiro (na verdade, neste momento eles estavam sofrendo novas deportações). Nabucodonosor não fez guerra em Media (1:7), nem capturou Ecbatana (1:14) (...) A reconstrução do Templo (4:13) é datada, por um anacronismo flagrante, cerca de um século mais cedo. Além disso, o Estado judeu é representado como sendo sob o governo de um sumo sacerdote e uma espécie de Sinédrio (6: 6-14; 15: 8), que é compatível apenas com uma data pós-exílica várias centenas de anos após o presumido cenário histórico do livro. (Bruce Metzger, An Introduction to the Apocrypha (New York: Oxford University, 1957), pp. 50-51)

Os livros apócrifos estão cheios de erros históricos, factuais e ainda ensinam heresias. Vamos dedicar uma série de artigos a demonstrar os erros desses livros, o que por si só já seria suficiente para rejeitá-los como Escritura canônica. Metzger ainda escreve:

Não foi fácil para todos os estudiosos católicos romanos concordar com o pronunciamento inequívoco da completa canonicidade que o Concílio de Trento fez a respeito de livros que, por tanto tempo e por tão altas autoridades, mesmo na Igreja Romana, tinham sido considerados inferiores. No entanto, apesar de mais de uma tentativa de estudiosos católicos para reabrir a questão, esta forma expandida da Bíblia tem permanecido a Escritura autoritária da Igreja Romana. (Ibid, 190)

Teólogos Latinos que aceitavam os apócrifos

Há um número de proponentes importantes do status canônico dos livros apócrifos como expressado por Agostinho. O Papa Inocêncio I, no início do século V, sancionou o cânon ratificado por Agostinho e os Concílios do Norte de África em sua carta a Exuperio. Ao fazer isso, ele confirmou os livros de I e II Esdras de acordo com seu uso na Septuaginta, dando status canônico para um livro (I Esdras) posteriormente considerado não canônico pelo Concílio de Trento. Seu julgamento foi seguido no final do século quinto e início do sexto pelos papas Gelásio e Hormisda, cada um dos quais fornecendo uma lista autorizada de livros canônicos do Antigo e Novo Testamentos, que incluiu os apócrifos. Como já foi dito anteriormente, estes decretos papais também condenaram os cânones apostólicos, que mais tarde foram aprovados pelo conselho de Trullo, cujos decretos foram ratificados por Nicéia II (o sétimo Concílio Ecumênico). Isidoro de Sevilha, em meados do século VII, reflete a visão de Agostinho:

Os judeus recebem o Velho Testamento em 22 livros, de acordo com o número de suas cartas, dividindo-os em três seções: Lei, Profetas e Hagiografia (...) Há uma quarta seção do Velho Testamento entre nós, cujos livros não estão no cânon judeu. O primeiro é o livro da Sabedoria; segundo Eclesiástico; terceiro Tobias; quarto Judite; quinto e sexto os livros de Macabeus. Embora os judeus os coloquem entre os apócrifos, a Igreja de Cristo os honra e os prega como livros divinos. (Sancti Isidori Hispalensis Episcopi Etymologiarum Libri XX, Liber Sextus, De Libris Et Officiis Ecclesiasticus, Caput Primum, De Veteri et Novo Testamento. PL 82:229)

Outro teólogo de renome a seguir a mesma posição foi Rábano Mauro assim como Pedro Blessensi. De especial interesse é a posição de Tomás de Aquino:

Jerônimo designa uma quarta divisão de livros, a saber, os apócrifos. Apócrifo é nomeado de 'apo', que significa 'muito', e 'crifo', que significa obscuro, porque seus ensinamentos e autores estão sob dúvida. No entanto, a igreja católica recebeu esses livros na categoria das escrituras sagradas, cujos ensinamentos não estão em dúvida, embora seus autores estejam não porque os autores destes livros são desconhecidos, mas porque esses homens não eram de autoridade conhecida. Daí que os livros têm seu poder não da autoridade dos autores, mas sim da recepção da igreja. (Thomas Aquinas, Principium Biblicum, Opera Omnia (Index Thomisticus), vol. 3, p. 647)
Apesar de reconhecer os apócrifos como Escritura, Tomás expressou uma opinião vacilante. Sobre isso, a Enciclopédia Católica afirma:

Na Igreja latina, durante toda a Idade Média encontramos evidências de hesitação sobre o caráter dos deuterocanônicos. Há uma corrente amigável a eles, outra distintamente desfavorável à sua autoridade e sacralidade, enquanto oscilando entre os duas estão vários escritores cuja veneração por esses livros é temperada por alguma perplexidade quanto à sua posição exata, e entre estes notamos St. Tomás de Aquino. Encontramos poucos que reconhecem inequivocamente sua canonicidade. A atitude prevalecente dos autores ocidentais medievais é substancialmente a dos Padres Gregos. A principal causa desse fenômeno no ocidente deve-se à influência, direta e indireta, do prólogo depreciador de São Jerônimo. A compilação "Glossa Ordinária" foi amplamente lida e altamente estimada como um tesouro de aprendizado sagrado durante a Idade Média. Ela incorporava os prefácios em que o doutor de Belém escreveu em termos derrogatórios aos deuteros, e assim perpetuou e difundiu sua opinião hostil. (Fonte)

Tomás estava entre aqueles que manifestavam opinião vacilante sobre o assunto. Percebam como a Enciclopédia Católica ratifica o que temos dito neste artigo – por influência de Jerônimo, vários autores medievais manifestaram opiniões contra a canonicidade dos apócrifos. Isso mostra quão absurda é a tese defendida por alguns apologistas de que Jerônimo teria mudado de ideia a respeito dos apócrifos. Gerações e gerações de teólogos medievais não teriam tomado conhecimento dessa importante e estrondosa mudança – e ainda – para manifestar uma posição em desacordo com o suposto ensino da igreja em favor dos apócrifos.

Além disso, houve Concílios que concederam aos livros deuterocanônicos o status canônico. No século XV, o Concílio de Florença citou Eclesiástico, Sabedoria, Tobias e Susana como autoritários. Florença também emitiu um decreto sobre o cânon em 1442, precisamente o mesmo que Trento, na Bula papal de Eugênio IV, intitulado “Bula de União com os Coptas”, mas isso não foi considerado infalível de uma perspectiva católica romana. A Nova Enciclopédia Católica afirma:

Em 1442, durante a vida e com a aprovação deste Concílio [Florença], Eugênio IV emitiu várias Bulas ou decretos, com vistas a restaurar os corpos cismáticos orientais à comunhão com Roma, e de acordo com o ensino comum de teólogos esses documentos são afirmações Infalíveis de doutrina. O Decretum pro Jacobitis contém uma lista completa dos livros recebidos pela Igreja como inspirados, mas omite talvez aconselhadamente os termos cânon e canônico. O Concílio de Florença, portanto, ensinou a inspiração de todas as Escrituras, mas não transmitiu formalmente a sua canonicidade. (Fonte)

A Igreja Oriental

A Igreja Oriental geralmente seguiu os pontos de vista de Atanásio, Cirilo de Jerusalém e Epifânio. Por exemplo, o bispo do século VI, Anastácio de Antioquia, ensinou que o cânon do Antigo Testamento consistia em vinte e dois livros:

Esta é a vigésima segunda obra de Deus. Os exegetas judeus e cristãos dizem que Deus realizou vinte e duas obras, das quais nós contamos um pouco mais cedo vinte e uma obras em seis dias. A vigésima segunda é o reino preparado da idade futura e da contemplação espiritual. Por isso, enumeram todo o Antigo Testamento em vinte e dois livros. (Anastasius of Antioch, In Hexameron, VII. PG 89.940)

A divisão do Antigo Testamento em 22 ou 24 livros (ambas foram aceitas por Jerônimo) não poderia contemplar os apócrifos.

João Damasceno (676-749)

Ele expressou no oitavo século a mesma visão de Atanásio:

Observe que há vinte e dois livros do Antigo Testamento, um para cada letra da língua hebraica (...) Dessa forma, os livros são reunidos em quatro Pentateucos e dois outros permanecem para formar os livros canônicos. Cinco deles são da Lei: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio. Este que é o código da Lei e constitui o primeiro Pentateuco. Então vem outro Pentateuco, a chamado Grapheia, ou como são chamados por alguns, a hagiografia, que são os seguintes: Jesus o Filho de Nave [Josué], Juízes juntamente com Rute, primeiro e segundo Reis [Primeiro e Segunda Samuel], que são um livro, terceiro e quarto Reis, que são um livro, e os dois livros de Crônicas que são um livro. Este é o segundo Pentateuco. O terceiro Pentateuco são os livros em verso: Jó, Salmos, Provérbios de Salomão, Eclesiastes de Salomão e o Cântico dos Cânticos de Salomão. O quarto Pentateuco são os livros proféticos, ou seja, os doze profetas que constituem um livro: Isaías, Jeremias, Ezequiel, Daniel. Então vêm os dois livros de Esdras [Esdras e Neemias] feitos em um e Ester. Há também o Panareto, que é a Sabedoria de Salomão e a Sabedoria de Jesus [Eclesiástico], que foi publicada em hebraico pelo pai de Siraque, e depois traduzido para o grego por seu neto, Jesus, filho de Siraque. Estes são virtuosos e nobres, mas não são contados nem colocados na arca. (Philip Schaff and Henry Wace, Nicene and Post-NiceneFathers (Grand Rapids: Eerdmans, 1955), Series Two, Volume IX, John of Damascus, Exposition of the Orthodox Faith, Chapter XVII)

Além de listar os livros do AT de acordo com o cânon hebraico, João destaca que a Sabedoria de Salomão e Eclesiástico não eram canônicos.

Nicéforo I de Constantinopla (758-828)

Nicéforo, o patriarca de Constantinopla no século IX expressou visão de João Damasceno. Ele citou o número de livros canônicos do Velho Testamento como vinte e dois e declarou que os livros apócrifos não eram recebidos como canônicos pela Igreja:

Estas são as Escrituras divinas entregues no cânon pela Igreja e o número de seus versículos: 1. Gênesis tem 4300 versos, 2. Êxodo 2800, 3. Levítico 2700, Números 3530, 5. Deuteronômio, 3100, 6. Josué 2100, 7. Juízes e Rute 2050, 8. Primeiro e segundo Reis, 4240, 9. Terceiro e quarto Reis 2203, 10. Primeira e segunda Crônicas 5500, 11. Primeiro e segundo Esdras 5500, 12. Salmos 5100, 13. Provérbios De Salomão 1700, 14. Eclesiastes 7500, 15. Cântico dos Cânticos 280, 16. Jó 1800, 17. O profeta Isaías 3800, 18. O profeta Jeremias 4000, 19. Baruque 700, 20. Ezequiel 4000, 21. Daniel 2200, 22. Os doze profetas 3000. Total dos livros do Antigo Testamento: 22. Essas escrituras do Antigo Testamento são duvidosas: 1. Três livros dos Macabeus 7300 versículos, 2. Sabedoria de Salomão 100, 3. Sabedoria do Filho de Siraque [Eclesiástico] 2800, 4. Salmos e Cânticos de Salomão 2100, 5. Ester 350, 6. Judite 1700, 7. Susanna 500, Tobias, 700. (S. Nicephori Patriarchae CP, Chronographia Brevis, Quae Scripturae Canonicae I, II, PG 1057-1058)

Observa-se que o cânon de Nicéforo é quase idêntico ao hebraico. A única diferença é que ele retirou o Livro de Ester e incluiu Baruque. Os demais apócrifos foram rejeitados.

Concílio Quintisexto ou de Trullo (692)

Este Concílio não é reconhecido pela Igreja Romana e foi considerado pela Igreja Oriental como parte do quinto e sexto concílios ecumênicos. Ocorre que o Sétimo Concílio Ecumênico reconheceu os cânones de Trullo. Sua importância para o nosso tema se dá porque Trullo sancionou os cânones dos concílios de Hipona e Cartago. Desta forma, os cânones dos concílios norte-africanos teriam status ecumênico e vinculariam toda a igreja. O primeiro problema é que a Igreja Ocidental não reconheceu o concílio de Trullo, portanto, a argumentação católica falha em seu próprio terreno. Além disso, este concílio também sancionou os cânones de Atanásio e Anfilóquio, sendo que ambos rejeitaram os livros apócrifos. Ainda, o concílio sancionou os cânones apostólicos que, no cânon oitenta e cinco, deu uma lista de livros canônicos que incluía 3 Macabeus, um livro nunca aceito como canônico no Ocidente, e também não incluía Baruque, Tobias, Eclesiástico e talvez Judite. Destaca-se também que os cânones apostólicos foram condenados e rejeitados como apócrifos nos decretos dos papas Gelásio e Hormisda. Sobre isso, o erudito católico romano Helefe escreveu:

O Papa Hormisda (...) declarou explicitamente que os Cânones Apostólicos eram apócrifos. (Charles Joseph Hefele, A History of the Councils of the Church (Edimburgo: T. & T. Clark, 1895), Vol. 1, p. 451)

Esses fatos provam que o Concílio Trullo recebeu os cânones de Cartago com o entendimento de que o termo "canônico" deveria ser interpretado em sentido geral – ou seja – como uma lista de livros que poderiam ser lidos na Igreja. Henry Percival comenta:

Temos, portanto, quatro [cinco se aceitarmos a lista de Laodicéia como genuína] cânones diferentes da Sagrada Escritura, todos com a aprovação do Concílio em Trullo e do Sétimo Ecumênico. Daí sobra apenas uma conclusão possível, a saber: que a aprovação dada não era específica, mas geral. (NPNF2, Vol. 14, (The Canon of Holy Scripture), Note, p. 612)

A alternativa seria aceitar que o Concílio ratificou listas contraditórias – o que só demonstraria a falibilidade dos concílios ecumênicos. Por isso, não há como invocar a autoridade de Trullo para confirmar o cânon norte-africano.

Teodoro Bálsamo (1140-1199) e João Zonaras (séc. XII)

Teodoro Bálsamo foi um acadêmico da Igreja Ortodoxa e o patriarca grego ortodoxo de Antioquia entre 1185 e 1199:

Quantos livros devem ser lidos na igreja, procure os cânones 40 e 85 dos santos apóstolos, o cânon 60 do sínodo de Laodicéia de São Gregório Nazianzeno e os escritos canônicos dos santos. (Commentary on the Council of Carthage, Canon XXVII. Translation by Benjamin Penciera, University of Notre Dame)

O cânon 60 de Laodicéia (há disputas sobre sua autenticidade) estabelece um cânon idêntico ao hebraico, com exceção da inclusão do livro de Baruque e epístola de Jeremias como parte do Livro de Jeremias.  João Zonaras foi um historiador, canonista e jurista bizantino do século XII. Ele escreveu:

Sobre quais livros devem ser lido nas igrejas tanto o último cânon dos apóstolos quanto o sexagésimo cânon do sínodo de Laodicéia estabeleceram. Atanásio, o Grande, enumera todos os livros que foram escritos como fazem Gregório Nazianzeno e São Anfilóquio. (Commentary on the Council of Carthage, Canon XXVII)

Ao apontarem listas canônicas diferentes, esses dois autores reforçam a ideia de que Eles assim como Trullo estavam se referindo somente a livros que poderiam ser lidos na Igreja e não aos livros canônicos no sentido estrito. No entanto, eles também apelam à autoridade de Atanásio e Gregório Nazianzeno, o que sugere que apesar de aceitar os apócrifos para leitura na igreja, não os aceitavam como livros inspirados – a posição dos pais invocados. Metzger dá um resumo preciso sobre a Igreja Oriental:

A posição das Igrejas Ortodoxas Orientais em relação ao cânon do Antigo Testamento não é de todo clara. Por um lado, uma vez que a versão Septuaginta do Antigo Testamento foi usada durante todo o período bizantino, é natural que teólogos gregos como André de Creta, Germano, Teodoro Estudita e Teofilacto da Bulgária, se referissem indiscriminadamente a livros apócrifos e canônicos de forma similar. Além disso, alguns apócrifos são citados como autoritários no Sétimo Concílio Ecumênico realizado em Nicéia em 787 e no Concílio convocado por Basílio em Constantinopla em 869. Por outro lado, os escritores que levantam a questão sobre os limites do cânone, como João Damasceno e Nicéforo, expressam opiniões que coincidem com as do grande Atanásio, que aderiu ao cânon hebraico. (Bruce Metzger, An Introduction to the Apocrypha (New York: Oxford, 1957), p. 192-193)

O cânon atual da Igreja Oriental

Apologistas católicos costumam apontar a Igreja Ortodoxa como testemunha favorável aos apócrifos. No entanto, diferente da Igreja romana, a ortodoxia oriental nunca produziu uma decisão dogmática sobre o cânon. Os únicos concílios que trataram da questão (Jassy e Jerusalém) aceitaram 3 Esdras, 3 Macabeus e a Carta de Jeremias – livros considerados apócrifos pelos católicos romanos. Ultimamente, há uma tendência entre os estudiosos ortodoxos em considerar os apócrifos como livros de autoridade inferior em relação ao cânon hebraico. O bispo ortodoxo oriental Kallistos Ware escreveu:

A versão hebraica do Antigo Testamento contém trinta e nove livros, a Septuaginta contém mais dez livros, não presentes no hebraico, que são conhecidos na Igreja Ortodoxa como os "Livros deuterocanônicos" (3 Esdras; Tobias; Judite; 1, 2 e 3 Macabeus; Sabedoria de Salomão; Eclesiástico; Baruque; Carta de Jeremias; no ocidente estes livros são muitas vezes chamados de apócrifos). Eles foram reconhecidos pelos concílios de Jassy (1642) e Jerusalém (1672) como "partes genuínas da Escritura", mas a maioria dos estudiosos ortodoxos nos dias de hoje, seguindo a opinião de Atanásio e Jerônimo, consideram que os Livros deuterocanônicos, embora sejam parte da Bíblia, estão num patamar abaixo do resto do Antigo Testamento. (Fonte)

Bruce Metzger escreveu:

A posição da Igreja Ortodoxa Russa em relação aos apócrifos parece ter mudado ao longo dos séculos. Durante a Idade Média, livros apócrifos do Antigo e do Novo Testamento exerceram uma influência generalizada nas terras eslavas. Nos séculos subsequentes, os líderes de Constantinopla deram lugar ao Santo Sínodo de São Petersburgo, cujos membros eram simpatizantes da posição dos reformadores. Através de uma influência similar emanando das grandes universidades de Kiev, Moscou, Petersburgo e Kazan, a Igreja russa uniu-se em sua rejeição aos apócrifos. Por exemplo, o Catecismo mais longo elaborado pelo Metropolita Filareto de Moscou e aprovado pelo Sínodo Sacerdotal (Moscou, 1839) expressamente omite os apócrifos da enumeração dos livros do Antigo Testamento com o fundamento de que "eles não existem no hebraico". (Bruce Metzger, An Introduction to the Apocrypha (New York: Oxford, 1957), p. 194)

Roger Beckwith escreveu:

A controvérsia entre Roma e os reformadores não escapou da observação da Igreja Ortodoxa Oriental, mas os ortodoxos foram lentos em tomar partido. Eles conheciam tanto o cânone largo como o estreito dos pais e preocupavam-se que os livros do cânone amplo, que eles usavam na sua liturgia, continuassem ser estimados. Por outro lado, a crença de que apenas os livros da Bíblia hebraica são realmente inspirados tem gradualmente ganhado terreno entre os ortodoxos, à custa da visão romana. (The Old Testament Canon Of The New Testament Church [Grand Rapids, Michigan: Eerdmans, 1986], p. 2, n. 9 on p. 14)

F.F Bruce escreveu:

A maioria dos estudiosos ortodoxos hoje, no entanto, segue Atanásio e outros ao colocar os livros a mais da septuaginta num nível inferior de autoridade do que os escritos “proto-canônico” [cânon hebraico]. (F.F. Bruce, The Canon Of Scripture [Downers Grove, Illinois: InterVarsity Press, 1988], pp. 82, 113, n. 31 on p. 113)

2 comentários:

  1. em inglês
    http://www.christiantruth.com/articles/Apocrypha3.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, a maior parte do artigo é tirado desse link como afirmei na primeira parte. Todavia, eu acrescentei algumas citações que não estão aí e também não traduzi as biografias por julgar que deixaria o artigo muito longo e não ver necessidade. Por isso, no início, eu trago uma declaração resumida sobre a vida de cada teólogo.

      Excluir

Não serão aceitos comentários que;

- Tenham ofensas;
- Não sejam pertinentes ao tema do artigo;
- Sejam Ctrl C + Ctrl V de outros blogs e sites.

É permitido citar outras blogs e sites, desde que o comentarista apenas post o link do artigo ou cite trechos do artigo. A cópia integral não será permitida.