terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Atanásio e a Sola Scriptura



O conhecimento de nossa religião e da verdade das coisas é independentemente manifesto, em vez de necessitar de professores humanos, pois quase todos os dias se afirma por fatos e se manifesta mais brilhante do que o sol pela doutrina de Cristo. Ainda assim, como você deseja ouvir sobre isso, Macário, venha, vamos na nossa capacidade estabelecer adiante alguns pontos da fé em Cristo: embora possamos descobri-lo dos oráculos divinos, mas ainda generosamente desejando ouvir dos outros também. Pois, embora as Escrituras sagradas e inspiradas sejam suficientes para declarar a verdade, há também outras obras de nossos professores abençoados compiladas para este propósito. Se ele se encontrar com algum homem do qual possa ganhar conhecimento da interpretação das Escrituras e aprender o que deseja saber, ainda que não tenhamos em nossas mãos as composições de nossos professores, devemos nos comunicar escrevendo para você o que aprendemos com eles - a fé de Cristo Salvador. (Contra os Pagãos I

Essa citação é uma das mais fortes declarações em favor da suficiência material e formal das Escrituras. Atanásio está se comunicando com Macário. Este desejava saber mais sobre as doutrinas cristãs. Primeiro, ele afirma que o conhecimento da religião e da verdade se manifesta de forma independente, sem a necessidade de professores humanos. Isso obviamente contradiz a ideia de que a Escritura não fala por si mesma, mas necessita de um magistério autorizado para falar por ela. Ele então coloca lado a lado as Escrituras inspiradas (suficientes para declarar a verdade) e outras obras dos mestres cristãos. A mensagem é simples – as Escrituras são suficientes para declarar o conhecimento cristão, mas há também professores que são úteis e desejáveis. É óbvio que esses professores (o próprio Atanásio era um deles) eram mestre falíveis. Quando discutimos sola scriptura e os pais da Igreja, os apologistas católicos falham num aspecto simples. Seria fácil demonstrar que um pai da igreja não sustentava a sola scriptura. Basta demonstrar que Atanásio apelava a um magistério infalível. Ele repetidamente apelou às Escrituras como inspiradas e infalíveis, mas nunca apelou ao suposto magistério infalível.

O princípio protestante nunca negou a função magisterial da Igreja e a utilidade de mestres, teólogos, escribas e tantos outros. O que afirmamos é que a Escritura é a única autoridade inquestionável. A autoridade da igreja é falível, e em caso de conflito com o ensino da Escritura, ficamos com a última. Atanásio fundamenta todos os seus ensinos a partir das Escrituras nos 47 capítulos dessa obra. Em outra famosa obra – “A Encarnação do Verbo”, ele diz:

Pois os judeus em sua incredulidade podem ser refutados pelas Escrituras, que até eles próprios leem. Por esse texto e aquele, e em uma palavra, toda a Escritura inspirada clama em voz alta sobre essas coisas, como até mesmo suas palavras expressas mostram abundantemente. Os profetas proclamaram de antemão sobre a maravilha da virgem e o nascimento a partir dela, dizendo: "Eis que a Virgem conceberá um Filho, e eles o chamarão pelo nome de Emmanuel, sendo interpretado como Deus conosco [Isaías 7:14 - também citado em Mateus 1:23]. (Encarnação da palavra, cap. 33)

Vejam como Atanásio argumenta que as Escrituras hebraicas (A.T) já eram suficientes para refutar a incredulidade dos judeus. A partir das próprias Escrituras que eles liam, já seria possível crer que Jesus era Deus. Esse tipo de argumento só faz sentido se você pressupõe a suficiência formal da Escritura. Há outras citações no mesmo sentido:

Pois, se eles não acham essas provas suficientes, deixe que sejam persuadidos por outros motivos tirados dos oráculos que eles próprios possuem. (cap. 38)

Ou se isso mesmo não é suficiente para eles, deixe-os pelo menos serem silenciados por outra prova, vendo quão clara é a sua força demonstrativa. Porque as Escrituras dizem (...) (cap. 38)

(...) então deve ser claro, mesmo para aqueles que são extremamente obstinados, que o Cristo veio, e que Ele iluminou absolutamente todos com Sua luz, e lhes deu o ensinamento verdadeiro e divino sobre o Pai. Então, pode-se refutar os judeus por estes e por outros argumentos das Escrituras Divinas. (cap. 40)

Em toda a obra, Atanásio cita abundantemente a Escritura. A tradição e a Igreja nunca são citadas como autoridades independentes. Todas as alusões a elas estão conectadas a algum ensinamento claramente exposto na Escritura. Na mesma obra, ele diz:

Quem é aquele de quem as Escrituras Divinas dizem isso? Ou quem é tão grande que até mesmo os profetas predizem sobre eles coisas tão grandes? Nada disso é encontrada nas Escrituras, mas apenas o Salvador comum de todos, a Palavra de Deus, nosso Senhor Jesus Cristo. (cap. 37)

Desde então que nada é dito nas Escrituras, é evidente que essas coisas nunca ocorreram antes. (cap. 38)

Observe que o pressuposto é que se a Escritura era silente, nada poderia ser dito. Agora, compare isso com os apologistas católicos que dizem que a Escritura é um registro incompleto, que há vários outros registros que devemos obedecer independentemente da Escritura. Atanásio encerra a obra dando uma declaração claríssima da suficiência formal da Escritura:

Deixe que isso homem amoroso de Cristo seja nossa oferta para você - apenas um esboço rudimentar e delineado como uma pequena bússola da fé de Cristo e de seu Divino aparecimento entre nós. Mas você, aproveitando essa ocasião, se você acender o texto das Escrituras, e aplicar verdadeiramente sua mente a eles, aprenderá com eles de forma mais completa e clara o detalhe exato do que dissemos. Pois foram falados e escritos por Deus, por meio dos homens que falavam de Deus. (cap. 56)

Atanásio acabara de escrever um tratado, mas o encerra afirmando que aquele homem poderia a partir do estúdio diligente das Escrituras obter uma compreensão ainda mais completa. Esse é o tipo de afirmação que um católico romano jamais poderia fazer. Observe que ele ainda demonstra a primazia da Escritura ao estabelecer porque ela seria um professor superior a qualquer outro – seu autor era Deus. Quando os apologistas católicos afirmam que a Escritura é insuficiente (formalmente ou materialmente), eles estão indiretamente dizendo que Deus não fez um bom trabalho. Além disso porque ensinar alguém a procurar diligentemente nas Escrituras por si mesmo, se já existe a interpretação infalível do magistério? Porque correr o risco de interpretar errado se já existia a interpretação infalível fornecida pela tradição? Eu já escrevi em meu blog uma série com mais de 100 citações demonstrando a crença dos pais da Igreja na suficiência da Escritura (aqui)

Citações usadas pelos apologistas católicos

Diante do testemunho claro de Atanásio, os apologistas nos acusam de tirar tais citações do contexto, mas nunca trazem o contexto “correto”. Eles passam então a apresentar outras citações de outras obras do alexandrino. Ou seja, no máximo eles estariam provando que Atanásio foi inconsistente. Vamos dar uma olhada nessas citações:

E o primeiro a colocar essa aparência foi a serpente, o inventor da iniquidade desde o início - o diabo - que, disfarçado, conversou com Eva e a enganou. Mas depois dele e juntamente dele todos são inventores de heresias ilegítimas, que de fato se referem às Escrituras, mas não sustentam as opiniões como os santos transmitiram, e as recebem como tradições dos homens, errando porque não os conhecem corretamente nem seu poder. (Carta festiva 2, seção 6)

O argumento é que os hereges apelam à Escritura para disseminarem seus erros. Eles erram por não sustentarem “as opiniões como os santos transmitiram”. Essas opiniões estariam na tradição oral. Da mesma forma, os protestantes interpretam a Escritura errado por desprezarem essa tradição oral. No entanto, o que Atanásio está se referindo nada mais é do que a própria Escritura interpretada corretamente. Vejamos o contexto na seção 5:

Aqueles que estão assim dispostos e se amoldam ao Evangelho serão participantes de Cristo e imitadores das conversas apostólicas, pelo qual serão considerados dignos desse louvor dele [Paulo], com o qual ele louvou os Coríntios, quando Ele disse: "Eu louvo que em tudo vocês estão atentos a mim". Depois, porque havia homens que usavam suas palavras, mas optaram por ouvi-las como se adequavam às suas concupiscências, e ousaram pervertê-las, como os seguidores de Himineu e Alexandre. E diante deles os saduceus, que, como ele disse "tendo naufragado da fé", zombaram do mistério da ressurreição, ele imediatamente passou a dizer: "E como eu entreguei a você tradições, segure-as rapidamente". Isso significa, de fato, que não devemos pensar de modo contrário ao que o mestre entregou. (Seção 5)

Percebam que os hereges ouviam as palavras dos apóstolos, mas ao invés de se submeterem a elas, preferiam adequá-las a sua própria vontade. Eles não interpretavam errado por causa da insuficiência da Escritura, mas por causa de seu próprio pecado. Dessa forma, “as opiniões que os santos transmitiram” é aquilo que os apóstolos nos deixaram nas Escrituras, as quais os hereges não obedeciam e distorciam. Isso fica ainda mais claro:

Pois não há comunhão entre as palavras dos santos e as fantasias da invenção humana. Os santos são os ministros da verdade, pregando o reino dos céus, mas aqueles que são levados na direção oposta não têm nada melhor do que comer e beber até que o fim chegue, pois eles dizem: "Deixe-nos comer e beber porque amanhã morremos” [1 Coríntios 15]. Por isso, o abençoado Lucas reprova as invenções dos homens e transmite a narração dos santos dizendo no início do evangelho: "Tendo, pois, muitos empreendido pôr em ordem a narração dos fatos que entre nós se cumpriram, segundo nos transmitiram os mesmos que os presenciaram desde o princípio, e foram ministros da palavra. Pareceu-me também a mim conveniente descrevê-los a ti, ó excelente Teófilo, por sua ordem, havendo-me já informado minuciosamente de tudo desde o princípio". O que cada um dos santos recebeu foi transmitido sem alteração, pela confirmação da doutrina dos mistérios.

Vejam os exemplos. Os hereges que distorciam a verdade eram os homens que negavam a ressurreição, a quem Paulo repreende em 1 coríntios 15. Atanásio também apela ao Evangelho de Lucas que nos fornece um bom motivo para colocar a Escritura como um padrão superior à tradição oral. A continuação é ainda mais relevante:

Nós recebemos essa palavra divina dos discípulos, e estes devem ser de direito nossos professores, e somente a eles é necessário dar atenção, pois deles apenas é "a palavra fiel e digna de toda aceitação". Eles não eram discípulos porque ouviram dos outros, mas era testemunhas oculares e ministros da Palavra. O que eles ouviram dele [Jesus], eles transmitiram. (Seção 5)

Nesse aspecto, a Igreja Romana se desviou radicalmente da Igreja Antiga. Atanásio, assim como os demais pais da igreja, compreendiam que o magistério apostólico era único. Somente os apóstolos ou seus companheiros autorizados poderiam ensinar infalivelmente. Todos os que vieram depois poderiam errar. Atanásio destaca que eles foram testemunhas oculares. Um bispo romano que vive séculos depois não atende esse pré-requisito. Por isso, rendemos à Escritura o status de autoridade suprema. Ela nada mais é do que o magistério dos apóstolos e ninguém mais pode ensinar com a mesma autoridade que eles. Assim, todo o magistério posterior deve ser submetido ao crivo desses homens que foram inspirados pelo Espírito Santo. Somente a palavra dos apóstolos é “fiel e digna de toda aceitação”. Somente eles são inquestionáveis. Todos os demais não são (inclusive o magistério de Roma). Vejamos outras:

A confissão que chegou de Niceia, dizemos mais, é suficiente e suficiente por si mesmo para a subversão de toda heresia irreligiosa e para a segurança e apoio da doutrina da Igreja. (Ad Afros, 1)

Essa citação em si não depõe em nada contra a Sola Scriptura. A confissão nicena tinha autoridade derivada na medida em que resplandecia o ensino da Escritura. Como já vimos, Atanásio jamais aceitaria uma confissão que não pudesse ser fundamentada na Escritura. A carta em questão foi enviada por 90 bispos do Egito e da Líbia (Atanásio estava entre eles) para os bispos da Igreja norte-africana. A íntegra da carta pode ser vista aqui. Vejamos o contexto:

As cartas escritas por nosso amado companheiro e ministro Damaso, bispo da grande Roma e o grande número de bispos que se juntaram com ele são suficientes. E igualmente assim são os dos outros sínodos que foram realizados, tanto na Gália como na Itália, sobre a fé sólida que Cristo nos deu, os apóstolos pregaram, e os Padres que se encontraram em Nicéia de todo o nosso mundo entregaram para nós.

Um pouco de contexto histórico é importante aqui. O concílio de Niceia decidiu pela divindade de Cristo em oposição a heresia ariana. Ocorre que isso não foi suficiente para debelar o arianismo. Diversos concílios foram realizados depois negando ou reinterpretando as palavras de Niceia. O próprio Atanásio testemunha que houve um tempo que a maior parte dos bispos eram arianos (daí surgiu a expressão “Atanásio contra o mundo”). Esses bispos estavam se opondo especificamente ao concílio de Rimini (aqui) que se opunha ao credo niceno. Até o concílio de Constantinopla, quase uma centena de concílios ocorreu com diretrizes contraditórias quanto ao credo niceno. Isso por si só já é suficiente para afirmar que a própria igreja não considerava o concílio de Niceia infalível. Além disso, observem que as decisões dos sínodos da Gália e da Itália foram postas em pé de igualdade com a carta do bispo de Roma (que também era subscrita por outros bispos ocidentais). Em última instância, tais sínodos assim como Niceia estavam alicerçados na “fé sólida que Cristo nos deu e os apóstolos pregaram”. Dessa forma, o credo niceno era suficiente na medida em que estava alicerçado na Escritura.     

Para provar que Niceia é superior a Rimini, o grupo de bispos argumenta que o ensino niceno está de acordo com as Escrituras (seção 4). Além disso, os bispos defendem o termo "co-essencial" como expressando o sentido da Escritura, mesmo que não seja o termo expresso encontrado na Escritura. Embora a carta invoque a natureza supostamente ecumênica do concílio como uma razão persuasiva para adotar sua posição, em nenhum lugar o grupo de bispos diz ou sugere que a decisão do concílio tenha autoridade igual à da Escritura. Além disso, a carta diz na seção 5 que os pais do concílio "desejavam estabelecer por escrito a reconhecida linguagem das Escrituras" e que a única razão pela qual eles usavam uma palavra não da Escritura era que o partido ariano continuava torcendo o significado dessas frases. Assim, a seção 6 explica: "E, finalmente, eles escreveram de forma mais clara e concisa que o Filho era coessencial com o Pai, pois todas as passagens acima [da Escritura] significam isso". Em outras palavras, os pais nicenos não passavam tradição não escrita nem definiam o dogma por sua própria autoridade, mas simplesmente expressavam os ensinamentos das Escrituras.

A tradição, o ensino e a fé da Igreja católica desde o princípio foram pregados pelos apóstolos e preservados pelos pais. Sobre isso, a Igreja foi fundada; e se alguém se afastar disto, ele também não deve mais ser chamado de cristão. (Ad Serapion, 1:28)

O ensino da Igreja poderia ser encontrado nos pais da igreja e seria rastreável até o princípio (os apóstolos). Bom, se o católico deseja refutar a Sola Scriptura com essa citação, ele precisaria demonstrar que o ensino em questão não era encontrado na Escritura (insuficiência material) ou então que os pais que transmitiram o ensino eram infalíveis (Atanásio não cria nisso). Vejamos no contexto (aqui) sobre o que Atanásio falava:

Mas, além dessas palavras, vejamos a própria tradição, ensinamento e fé da Igreja Católica desde o início, que o Senhor deu, os apóstolos pregaram e os padres continuaram. Sobre isso, a Igreja é fundada, e aquele que se afastar dessa fé não seria um cristão, e não deveria ser chamado assim. Há, portanto, uma Tríade, santa e completa, confessada ser Deus no Pai, no Filho e no Espírito Santo (...) É uma tríade não apenas em nome e forma de discurso, mas na verdade e na realidade. Pois, como o Pai é o que é, assim também a Palavra é uma que é e Deus sobre todos. E o Espírito Santo não é sem existência real, mas existe e tem o ser verdadeiro. Menos do que estas (Pessoas), a Igreja Católica não aceita, para que não afunde ao nível dos judeus modernos, imitadores de Caifás e ao nível de Sabelio. Nem os acrescenta nada a eles com especulações, para que não seja levada para o politeísmo dos pagãos. E para que eles saibam que está é a fé da Igreja, que eles saibam como o Senhor, ao enviar os Apóstolos, ordenou que eles lançassem este fundamento para a Igreja, dizendo: "Ide e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo ". Os apóstolos foram, e assim ensinaram; e esta é a pregação que se estende para toda a Igreja que está no céu.

A tradição em questão que foi pregada pelos Apóstolos e mantida pela Igreja desde o início é a trindade. Reparem que Atanásio cita Mateus 28:19 para fundamentar tal ensino. Dessa forma, Atanásio se refere a um ensino que seria encontrado nas Escrituras (algo que os protestantes concordam e aderem). Adicionalmente, esse ensino foi historicamente confessado pela Igreja desde o princípio (o que nós protestantes também concordamos). Essa citação somente seria prejudicial ao princípio reformado se Atanásio considerasse a trindade uma tradição oral sem base escritural que deveria ser confessada com base apenas na autoridade da Igreja. Obviamente, não era o caso.  Se as tradições católicas romanas pudessem ser (1) fundamentadas na Escritura e (2) tivessem sido desde o princípio ensinada pelos pais, os protestantes não teriam problemas em aderir a elas. No entanto, a tradição católica romana não atende nenhum nem outro requisito, muito menos atende aos dois cumulativamente. Em todas as citações que os católicos oferecem contendo a palavra tradição é a doutrina da trindade que está em perspectiva.

Citações da Carta a Marcelino

Essa carta (aqui) nos oferece muitas citações a respeito da suficiência da Escritura:

Filho, todos os livros da Escritura, tanto o Antigo Testamento como o Novo, são inspirados por Deus e úteis para a instrução [2 Timóteo 3:16], como está escrito. Mas, para aqueles que realmente o estudam, o Saltério produz um tesouro especial.

Reparem como Atanásio aplica 1 Timóteo 3:16 a toda a Escritura e não somente ao Antigo Testamento. Não é um argumento estranho, tendo em vista que Paulo tem em mente a natureza da Escritura e não uma lista de livros.

De fato, em todas as circunstâncias da vida [Saltério], acharemos que essas canções divinas se adequam e atendem às necessidades de nossas próprias almas em cada sentido.

Ele se refere somente aos Salmos, mas o mesmo raciocínio poderia ser extrapolado para o resto da Escritura. Atanásio também reflete o princípio de que a Escritura interpreta a Escritura:
O meu velho amigo pontuou isso, que as coisas que encontramos nos Salmos sobre o Salvador também são declaradas nos outros livros da Escritura. Ele enfatizou o fato de que uma interpretação é comum a todos eles, e que eles têm apenas uma voz no Espírito Santo.

Ainda sobre a suficiência:

Pois penso que, nas palavras deste livro, toda a vida humana é coberta, com todos os seus estados e pensamentos, e que nada mais pode ser encontrado no homem.

Porque Deus ordenou a Moisés que escrevesse a grande canção [Deuteronômio 31:19], e que ensinasse ao povo, e aquele a quem designara líder ordenou também que escrevesse o Deuteronômio para que sempre estivesse em suas mãos e meditasse incessantemente as suas palavras [Deut 17:18-19]. Estas [palavras] são suficientes em si mesmas para chamar a mente dos homens para a virtude e para trazer ajuda para quem as considera com sinceridade.

Reparem em “suficientes em si mesmas”. Esse adjetivo não pode ser aplicado a uma autoridade que depende de outra para ser expressa.

E você também, Marcelino, ponderando os Salmos e lendo-os inteligentemente, com o Espírito como seu guia, será capaz de compreender o significado de cada um, assim como desejar.

Marcelino poderia compreender cada salmo lendo diligentemente e tendo o Espírito Santo como guia. Isso implica na suficiência formal da Escritura.

Toda a Escritura divina é professora da virtude e fé verdadeira, mas o Saltério dá-nos uma imagem da vida espiritual.

Nunca tal homem irá ser abalado pela verdade, mas ele irá refutar aqueles que tentam enganar e levá-lo a erro. Não é um professor humano que nos promete isso, mas a própria Escritura Divina.

A Escritura é em si mesma uma professora. Atanásio não concordaria com a afirmação de que a Escritura não é um árbitro.

Outras citações em favor da Sola Scriptura

Desde que essa tentativa é loucura inútil e não mais do que loucura! Não deixe mais ninguém fazer essas perguntas. Deixe que ele apenas aprenda o que está nas Escrituras, pois os esclarecimentos que contêm sobre esse assunto são suficientes e adequados. (Ad Serapion 1.19)

Mas toda essa inspirada Escritura também ensina mais claramente e com mais autoridade [do que a luz da natureza na forma de testemunho das próprias estrelas], de forma que nós, por nossa vez, escrevemos a ti como fizemos, e você, caso se volte a elas, será capaz de verificar o que nós dizemos. Pois, um argumento, quando confirmado pela autoridade superior é irresistivelmente provado. (Contra os pagãos, Parte III, §45, pontos 2-3)

Essas são fontes de salvação, para que os que têm sede possam ser satisfeitos com as palavras de vida que elas contêm. Nestas somente é proclamada a doutrina da piedadeQue nenhum homem acrescente a elas, nem deixem de zelar por elas. Pois a respeito destas o Senhor envergonhou os saduceus, e disse: "Errais, não conhecendo as Escrituras". E Ele reprovou os judeus, dizendo: "Examinai as Escrituras, pois são elas que testificam de mim"(Epístola 39, Seção 6)

E isso é habitual com as Escrituras, se expressar em frases naturais e simples(Quatro Discursos Contra os Arianos, Discurso 3)

Uma ideia muito presente nos pais da igreja é de que a Escritura continha linguagem simples para que o homem comum pudesse entende-la. Essa era a resposta padrão para os críticos pagãos que diziam que a Escritura era pouco sofisticada. Sobre o embate com os arianos, ele diz:

"Mas", diz o ariano, "não está escrito?" Sim, está escrito! E é necessário que seja dito. Mas o que é suficientemente escrito é mal compreendido pelos hereges. Se eles tivessem entendido e compreendido os termos em que o cristianismo se expressa, não teriam chamado o Senhor da glória [1 Coríntios 2: 8; cf. James 2: 1] de uma criatura nem tropeçado sobre o que é suficientemente escrito. (Epístola a Serapião)

O erro dos arianos não derivava de uma deficiência da Escritura, mas de sua má compreensão do texto bíblico. Em suma, Atanásio desconhecia a existência de qualquer magistério infalível que fosse a única voz autorizada da Escritura. As sagradas letras eram suficientes formalmente e materialmente. O ensino dos concílios e dos pais era apenas derivados do ensino das Escrituras. Ele repetidamente insistiu na inspiração e inerrância da Escritura, mas em nenhuma de suas obras atribui as mesmas características ao magistério ou tradição.

2 comentários:

  1. Olá! Onde posso encontrar link da epístola a Serapião?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui:

      http://www.newadvent.org/fathers/2806054.htm

      Excluir

Não serão aceitos comentários que;

- Tenham ofensas;
- Não sejam pertinentes ao tema do artigo;
- Sejam Ctrl C + Ctrl V de outros blogs e sites.

É permitido citar outras blogs e sites, desde que o comentarista apenas post o link do artigo ou cite trechos do artigo. A cópia integral não será permitida.