terça-feira, 28 de novembro de 2017

Transubstanciação, Aristóteles e a Biologia Moderna


Para explicar como a transubstanciação é possível tendo em vista que o pão continua com todas as propriedades do pão comum, os apologistas católicos costumam apelar às categorias “substancia” e “acidentes” de Aristóteles. Substância é aquilo que pertence a essência do ser, que o define. Acidente seria uma característica do ser que não o define, inclusive podendo ser encontrada em outros seres de uma substância diferente. Por exemplo, olhos azuis é uma característica que homens diferentes podem ter em comum, portanto é um acidente. O mesmo pode ser dito de tamanho, peso, cor e etc.

Os católicos afirmam que o mesmo ocorre com o pão. Os acidentes do pão (cheiro, textura, cor) continuam os mesmos, mas a substância do pão é convertida no corpo físico de Cristo. É de se notar que esta explicação deturpa o pensamento aristotélico. Seria inimaginável para o filósofo a ideia de que uma substância poderia ser convertida em outra sem a mudança de seus acidentes (aqui). Ademais, a explicação não faz sentido a luz da biologia e física modernas. 

A biologia moderna afirma que tudo é feito de uma mesma substância (átomos compostos por partículas subatômicas). O que vai diferenciar um ser de outro é a combinação dessa substância. Uma determinada combinação de átomos forma água, outra combinação forma o metal. Ao olhar em mais detalhe, água e metal são compostos por uma mesma substância fundamental (partículas subatômicas). Fazendo uma ponte entre as categorias aristotélicas e a biologia molecular, devemos considerar que o DNA por exemplo é substância e não acidente. É impossível que algo seja humano sem possuir DNA humano. Retomando o exemplo, algo não humano poderia ter olhos azuis, mas jamais poderia ter o DNA humano.

Dessa forma, se a substância do pão se converte no corpo humano de Cristo, segue-se que deveríamos encontrar DNA humano na Eucaristia. Afinal, os acidentes do corpo de Cristo não estão lá, mas a substância (que inclui o DNA) está. Obviamente não há DNA humano no pão eucarístico, o que refuta a ideia de que o corpo de Cristo está presente. Além disso, mudanças no DNA necessariamente resultariam em mudanças nos acidentes. Se o DNA de um homem for convertido no DNA de uma cobra, os acidentes (cor, forma, tamanho e etc) irão acompanhar essa conversão.

A transubstanciação não faz sentido por várias razões. Veja aqui outras razões e aqui uma lista de artigos sobre tema.

32 comentários:

  1. Excelente objeção, Bruno! O católico, vai argumentar, que isso se dar, por meio de um ato milagroso. Agora, "é" um tipo de "milagre", que vc não tem nenhuma condição de saber, se ele ocorreu ou não, se é verdade ou não. Hermeneuticamente, biologicamente e até mesmo, filosoficamente, ele não se sustenta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Neilom. O problema é o que o milagre não é verificável por nenhum meio. Absolutamente todos os milagres registrados na Escritura são verificáveis, porque a Eucaristia seria uma exceção?

      Meu artigo apenas demonstra que a distinção substância/acidente não pode ser corretamente aplicada a transubstanciação. Ao católico então resta apelar ao mistério. Podemos conceder que os atos milagrosos de Deus podem não ser explicáveis, mas jamais eles seriam não verificáveis. Na medida em que os milagres servem para confirmar/reforçar a fé, a inverificabilidade do milagre frustra o objetivo do próprio milagre.

      Excluir
    2. Um verdadeiro milagre, carateriza-se, inquestionavelmente através da comprovação pelos cinco sentidos... E não precisamos ser crentes para vê-los. Mas, principalmente como sinal aos descrentes. E existem MESMO! Todavia tomemos cautela pois o que mais há é falsos milagres. E até milagres oriundo da ação dos demônios, afora, obviamente a prática da mágica.

      Excluir
  2. A transubstanciação é contrária à ciência, porque a ciência dos elementos físicos tira conclusões metafísicas.

    A ciência pode perfeitamente dizer aquilo que os elementos da eucaristia são depois de consagrados, analisando fisicamente a matéria de que são feitos e tirando a conclusão metafisica (ontológica) do que são.

    Isto está sempre a ser feito, por exemplo, em análises laboratoriais. Quando se quer saber o que uma substância (aqui uso o termo substância no sentido de matéria) é, analisa-se a sua composição física e tira-se a conclusão metafísica do que é (ontologicamente) essa substância.

    É por isso que cientificamente uma molécula constituída fisicamente por dois átomos de hidrogénio e um átomo de oxigénio é sempre metafisicamente água. Dizer o contrário é anticientífico.

    Portanto a transubstanciação é não só absurda filosoficamente, como também cientificamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante pontuar que os católicos costumam apelar a certos "milagres" em que supostamente foi detectado a presença de células humanas na Eucaristia. Ora, porque então essa mesma evidência não é encontrada em todos os pães eucarísticos?

      Excluir
    2. Exato.

      Eles mesmos recorrem a testes laboratoriais para certificar o que uma dada substância é. Mas ao mesmo tempo negam a validade desses mesmos testes laboratoriais quando o resultado não lhes interessa :)

      Os testes não podem dar resultados bons em certos casos e maus em outros aplicando a mesma metodologia.

      Se a ciência atual está correta, a transubstanciação dos elementos eucarísticos só pode ser falsa. Não se pode defender as duas coisas ao mesmo tempo.

      Excluir
  3. Um duplo "milagre" envolvido na transubstanciação: Por um lado, vc tem a substância do corpo e sangue de Jesus, presente SEM OS ACIDENTES DO CORPO E SANGUE DE JESUS. Por outro lado, vc tem os acidentes do pão, presente SEM A SUBSTÂNCIA DO PÃO.Insustentável! Filosofou(distorcendo -a), e apelou para o "mistério". Aquino distorce até as escrituras, ao afirmar, que não precisamos ver, por que Jesus disse que é.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jesus disse também que era a PORTA, será de madeira, gesso cera ou isopor?

      Excluir
  4. Bom, não falta milagres eucarísticos para confirmar,tais milagres acontecem para provar com Cristo está ali nas mãos do presbitero sendo entregue a nós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você pode nos citar um milagre eucarístico em que um pão comum foi analisado em laboratório e após a consagração foi detectado no mesmo pão a presença de DNA humano?

      Se faz parte do milagre a presença de DNA no pão consagrado, então se em análise laboratorial o DNA não aparecer, podemos declarar que a transubstanciação foi refutada certo?

      Excluir
    2. "tais milagres acontecem para provar com Cristo está ali nas mãos do presbitero sendo entregue a nós"

      Se isso é verdade, porque não é possível verificar a presença do corpo de Cristo ali? Se o seu raciocínio estivesse correto, a presença do corpo de cristo deveria ser verificável sempre que a hóstia é consagrada, no entanto, é justamente o contrário.

      Excluir
    3. É fácil, é só pesquisar sobre os milagres eucarísticos, incrível como chega parecer um ateu quando se trata de um milagre da igreja católica.

      Excluir
    4. "Deveria ser verificável" é mesmo Tomé?

      Excluir
    5. Será que o DNA do material biológico é igual em todos os milagres eucarísticos? Ou seja, da mesma pessoa?

      Ter o DNA de Jesus Cristo era uma grande descoberta para a humanidade em geral, e para a ciência em particular. Podia estudar-se as doenças a que Cristo estava predisposto, encontrar laços de parentesco, e até fazer um clone de Jesus Cristo.

      E se fosse o DNA do corpo imortal, incorruptível e glorioso de Cristo, ainda melhor. Representaria a descoberta da imortalidade humana. Não percebo como é que ninguém na comunidade cientifica não aproveita este material biológico do corpo de Cristo para desenvolver linhas de investigação em biotecnologia e medicina molecular :)

      Excluir
    6. E o que estava nas mãos de Cristo, quando Ele instituiu a ceia, ministrando para seus discípulos? Pois era óbvio para todos que o corpo real de Jesus estava segurando o pão em suas mãos. Assim, nenhum dos discípulos presentes jamais iria pensar ou entender que ele estivesse dizendo que aquele pão era o seu corpo real.

      Excluir
    7. Existem milagres eucarísticos comprovados sim. E em laboratório foi mostrado tecidos de coração humano e sempre o mesmo tipo de sangue. Incrível não?

      Excluir
    8. E depois de tal "milagre" Glaysomar, o tal "cristo" católico vira fezes ou esterco?

      Excluir
    9. "Existem milagres eucarísticos comprovados sim. E em laboratório foi mostrado tecidos de coração humano e sempre o mesmo tipo de sangue. Incrível não?"

      Ainda que seja verdade que foi encontrado DNA num pão consagrado, isso não prova a transubstanciação. É muito simples demonstrar o que você alega. Basta pegar um pão comum e submetê-lo a análise laboratorial. Após a consagração do pão, submeta-o a nova análise laboratorial. Se ficar evidenciado que no processo houve mudança de substância, o milagre está comprovado.

      O interessante é que já fizeram isso. E como era esperado, após a consagração não havia DNA humano algum. Havia apenas pão. Dessa forma, seguindo a lógica do seu raciocínio, podemos concluir que a transubstanciação não ocorreu.

      http://www.patheos.com/blogs/unreasonablefaith/2009/05/catholic-presents-evidence-for-eucharist-transformation/

      Os católicos poderiam facilmente provar seu milagre e refutarem todos os "difamadores" protestantes. Mas não o fazem porque não podem.

      Excluir
  5. Ops, link errado, é este:http://logosapologetica.com/banzoli-mente-descaradamente-sobre-o-milagre-de-lanciano/#axzz4zyEUGxJI

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Glaysomar,

      Traga-nos um único milagre em que o pão foi analisado em laboratório antes e depois da consagração. O "milagre" de lanciano não atende a esse requisito. Se você deseja provar que houve uma conversão, você precisa de evidências do estado anterior e posterior da matéria.

      Isso é bem fácil de fazer. Se você submeter o pão consagrado a esse processo e for detectado que o pão comum agora tem o DNA após a simples consagração, a transubstanciação está comprovada. Se não for detectada a conversão, a doutrina da sua igreja e por consequência a infalibilidade da sua igreja está refutada. Testes desse tipo já foram feitos e o resultado não é muito animador para a sua causa.

      Excluir
  6. Só esqueceram de uma coisa: DEUS É O DEUS DO IMPOSSÍVEL.

    A transubstanciação é a verdade da Fé da Santa Igreja de Cristo.

    Difamarem esta verdade da fé foi profetizada pelo profeta Malaquias.

    O mais incrível é crer que o Maná da Nova Aliança, seria somente uma simplória lembrança.

    E claro, que a razão nos mostra que, se o maná da Antiga Aliança já era um grandioso milagre, então é bem mais claro que o Maná da Nova Aliança seria um MILAGRE EXTRAORDINÁRIO, A TRANSUBSTANCIAÇÃO.
    Corpo, Alma e Divindade de Jesus Cristo, assim como Ele esta no Céu, nas aparências do pão e do vinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Só esqueceram de uma coisa: DEUS É O DEUS DO IMPOSSÍVEL."

      Sem dúvida, mas isso não implica que Deus faz coisas ontologicamente impossíveis. Deus poderia, por exemplo, criar um quadrado redondo? Um solteiro casado?

      "A transubstanciação é a verdade da Fé da Santa Igreja de Cristo."

      A transubstanciação é uma inovação da Igreja Romana. Não acredito que esta igreja pode ser considerada atualmente sequer parta da "Santa Igreja de Cristo".

      "Difamarem esta verdade da fé foi profetizada pelo profeta Malaquias."

      Onde está essa profecia. Além disso, foi o magistério da igreja romana que disse isso ou você está apenas fazendo mau uso do livre exame das Escrituras?

      "O mais incrível é crer que o Maná da Nova Aliança, seria somente uma simplória lembrança."

      Porque? Desde que um sinal é instituído para lembrar e comunicar aos crentes uma verdade do evangelho não há nenhum problema em ser simbólico.

      "E claro, que a razão nos mostra que, se o maná da Antiga Aliança já era um grandioso milagre (...)

      O paralelo com a antiga aliança não ajuda no seu caso. Não havia nenhuma transubstanciação na antiga aliança. Não havia milagre algum na celebração da páscoa. Ela foi instituída por Deus para lembrar aos judeus a libertação do povo. Da mesma forma, na nova aliança foi instituída para lembrar a Igreja da ação salvífica de Deus. Em ambas alianças, é um memorial que aponta para o passado. Nada disso requer algo como a transubstanciação - uma ideia que seria estranha para um Judeu.

      Excluir
  7. Suponhamos que a Transubstanciação católica seja de fato a mudança do pão e vinho em carne e sangue de algum ser humano; logo apos as espécies serem levantadas ao toque da sineta. Obviamente teremos um milagre. Um milagre tão desgraçado que os nossos cinco sentidos jamais poderão constatar. Portanto, teremos que ter muito mais fé para acreditar em tal cretinice padresca. Mas, se tal ocorrer (por via das dúvidas), certamente outro milagre haverá, mas desta vez feito pelo estômago que enviará para os intestinos do pão manducado, também do vinho ingerido pelo padrecas beberrão, e descerão ao intestinos com outros ingredientes, e lá se transformarão em fezes, que serão obviamente lançadas em lugar escuso. Então temos: fezes e o "deus" católico mui bem transubstanciados em conjunto: que linda teologia que tenta levar ao pé da letra uma mera simbologia. Disse Jesus: Fazei isto em "memória" de mim. Mas, segundo um catolicão roxo, antigamente o termo "em memória" significava "em presença"... Durma com essa galera, afinal tal piada procede do Diabo. Mas será que apesar de ser tão desgraçado o Diabo ainda tem senso de humor?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A transubstanciação leva a consequências bizarras. Você bem descreveu uma delas. O corpo de Cristo é mastigado, dilacerado e destruído por sucos gástricos.

      Excluir
  8. Difamarem esta verdade da fé foi profetizada pelo profeta Malaquias.

    AH CLARO, MALAQUIAS IA PROFETIZAR QUE O PÃO E O VINHO SE TRANSMUTAM EM CARNE E SANGUE SEM DEIXAR DE SER PÃO E VINHO SEM SEQUER TER IDÉIA DO QUE ISSO FOSSE JÁ QUE SÓ FOI INSTITUÍDO POR CRISTO ANTES DA CRUCIFICAÇÃO...

    MUITO LÓGICO...

    ResponderExcluir
  9. Parecendo antever a falácia católica, Calvino falou sobre o sofisma católico ao se basear em Malaquias:

    "Ora, aqui evocam o vaticínio de Malaquias [1.11] no qual o Senhor pro- mete que por todo o mundo se oferecerá incenso a seu nome, aliás, uma oblação pura. Como se fosse coisa nova e inaudita nos profetas, quando se referem à vocação dos gentios, designar o serviço espiritual de Deus, ao qual os exortam, pelas cerimônias da lei, para demonstrar mais facilmente aos homens de seu tempo que os gentios haviam de ser introduzidos na verdadeira participação da aliança divina. De fato, tinham por costume descrever as coisas que se cumpriam no evangelho sob figuras de seu tempo. Assim sendo, em lugar de dizer que todos os povos se converterão a Deus, dizem que subirão para Jerusalém [Is 2.2, 3; Ml 4.1, 2]. Em lugar da adoracão de Deus, dizem que oferecerão oblação de todo gênero de oferendas [Sl 68.29; 72.10,11; Is 60.6-9]; em lugar de mais amplo conhecimento dele, do qual os fiéis no reino de Cristo haveriam de ser dotados, dizem que terão sonhos e visões [Jl 2.28]. Portanto, o que citam de Malaquias é semelhante a outro vaticínio de Isaías, onde o Profeta prediz que três altares haveriam de ser erigidos: na Assíria, no Egito e na Judéia [Is 19.21, 23, 24]. Ora, antes de tudo pergunto se porventura não admitem que o cumprimento desta profecia está no reino de Cristo; segundo, onde estão esses altares ou quando já foram erigidos; terceiro, sei que, afinal, acreditam que a cada um desses reinos foi destinado um templo próprio, como foi aquele hierosolimitano. Se ponderassem bem essas coisas, creio que confessariam que o Proteta está vaticinando sobre a propagação do culto espiritual de Deus a todo o orbe sob figuras apropriadas à sua época; esta é a solução que lhes damos. No entanto, visto que a cada passo ocorrem deste fato exemplos óbvios, não me preocuparei em enumeração mais alongada, ainda que também nisto desvairam miseravelmente, a saber, que não reconhecem nenhum sacrifício, senão o da missa, enquanto agora os fiéis deveras sacrificam ao Senhor e lhe oferecem uma oblação pura, da qual logo adiante se falará."

    (As Institutas, Livro IV, Cap 18,4)

    Lembrando que o texto de Malaquias em NADA prefigura a missa, como os católicos falaciosamente propagam, ele simplesmente fala que Deus não aceita sacrifícios mal feitos e impuros, pois isso ofende sua Santidade.

    ResponderExcluir
  10. Bom falar todos falam o que querem,mas há vários milagres eucarísticos aceitem vcs ou não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo? Então nos traga um caso em que o pão foi analisado antes de ser consagrado constatando apenas a presença de pão e uma análise posterior após a consagração que constate a mudança de substância.

      Além disso, não é permitida copiar outros sites e blogs como você vem sistematicamente fazendo em vários comentários. Por isso, eles não serão aceitos.

      Excluir
  11. O que você acabou de dizer constata a sua ingnorancia sobre o que é a transubstanciação e os milagres eucarísticos,como eu disse ha vários milagres eucaristico um deles é o de lanciano,queira vc aceitar ou não, comprovando o que Cristo disse:isto é o meu corpo".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "O que você acabou de dizer constata a sua ingnorancia sobre o que é a transubstanciação e os milagres eucarísticos"

      Pelo contrário. A transubstanciação foi corretamente definida e nenhum dos "milagres" (inclusive o de Lanciano) demonstrou que houve uma alteração da substância dos elementos. Você precisa demonstrar que um pedaço de pão sofreu mudança em sua substância durante a consagração. No entanto, o que se vê todos os dias nas missas é apenas a narrativa de um milagre que é inverificável, contrariando todos os milagres descritos na Escritura (especialmente os realizados por Jesus).

      A sua participação neste blog tem se resumido a isso - você posta links - em alguns casos fazendo colagens inteiras de outros blogs (o que é proibido), indica livros, indica artigos (já respondidos por nós), mas não traz nenhum argumento de próprio punho.

      Aqui não é espaço de divulgação da apologética católica. Caso continue a comentar dessa forma sem trazer seus próprios argumentos, apenas divulgando material de outros.... Sugiro que não se dê mais ao trabalho de escrever.

      Excluir
    2. a suposta transubstanciação é mentira. Mas se fosse verdade seria muito pior: imaginar o corpo sacrossanto do Homem-Deus, à posteriori transformado em fezes.

      Excluir
  12. Eu por último lhe indiquei um ivro,e os outro foi uma refutação do blog logos apologética Lucas banzoli que tentou desmerecer o milagre de lanciano,se lesse teria te sido esclarecido,mesmo que pela bíblia seja evidente.

    ResponderExcluir

Não serão aceitos comentários que;

- Tenham ofensas;
- Não sejam pertinentes ao tema do artigo;
- Sejam Ctrl C + Ctrl V de outros blogs e sites.

É permitido citar outras blogs e sites, desde que o comentarista apenas post o link do artigo ou cite trechos do artigo. A cópia integral não será permitida.